Pilvi Takala

Flip side

26.05.2011–02.07.2011

A Kunsthalle Lissabon apresenta Flip side, a primeira exposição individual de Pilvi Takala em Portugal. Flip side incluirá dois trabalhos recentes da artista, The Messengers (2008) e Real Snow White (2009).

Em Real Snow White, a lógica absurda da existência de uma “personagem real” e a extrema disciplina da Disneylândia tornam-se evidentes quando uma fã da Branca de Neve é proibida de entrar no parque de diversões vestida com um fato da sua heroína. Ainda que os visitantes sejam encorajados a consumirem e usarem disfarces e muito merchandising seja vendido no parque, disfarces completos são permitidos apenas a crianças. O slogan da Disney "Dreams Come True" significa, obviamente, sonhos produzidos exclusivamente pela Disney. A possibilidade de algo, ainda que insignificante, fugir ao controlo estabelecido despoleta imediatamente o receio da realidade. A imagem da inocente Branca de Neve a realizar algo errado (mau) é tão obviamente real, que os seguranças e a gestora referem-se a ela como razão para não permitir a entrada no parque de uma adulta disfarçada de Branca de Neve.

The Messengers é uma intervenção nos media croatas e, mais especificamente, na publicação Story, uma revista cor-de-rosa, especializada em escândalos de celebridades, e na sua fixação pela celebridade local Vlatka Pokos. A génese do trabalho encontra-se na ideia de mexerico invertido. Esse mexerico pode ser qualquer pormenor mínimo sobre a vida da pessoa famosa desde que a retrate de forma negativa. Em vez de espalhar rumores sumarentos, Takala reporta actos insignificantes, mas positivos, cujo valor em termos de escândalo é nulo, mas quando realizados por uma celebridade tornam-se dignos de nota. Estas pequenas e absurdas notícias criam uma “rutura” no formato tradicional do tabloide devido à sua falta de sensacionalismo e a não serem mais do que uma manifestação ingénua de entreajuda.

Através destas duas peças, Flip side propõe-se a olhar para os mecanismos subjacentes à construção da ideia de personalidade pública, seja através de uma personagem propriedade da Disney, que se torna demasiado tangível, escapando assim ao controlo que a multinacional detém sobre a subjectividade e imaginários colectivos, ou de uma celebridade croata cuja vida e acções são definidas e compreendidas na medida em que são mediadas pela imprensa sensacionalista. Em ambas as situações, as figuras não são mais do que construções ficcionais, uma delas tornando-se demasiado real para os padrões da ficção e a outra parecendo demasiado ficcional para os critérios da realidade.

 

Pilvi Takala nasceu em Helsínquia, Finlândia, em 1981. Vive e trabalha em Amesterdão, Holanda. Estudou na Academia Finlandesa de Belas Artes e foi artista residente na Rijksakademie em Amesterdão e no IASPIS em Estocolmo. No seu trabalho, Takala usa frequentemente formas narrativas que se baseiam em acções que decorrem em ambientes sociais específicos. Através de intervenções subtis a artista cria situações onde as regras implícitas e as verdades partilhadas são reveladas, questionadas e eventualmente reinventadas. Interessa-se pelas regras sociais que seguimos no dia-a-dia e por encontrar formas de atingir o limite da nossa tolerância por forma a criar aberturas, ou exceções no quotidiano e assim vermos algo onde pensávamos não existir nada. Uma seleção das suas exposições individuais inclui You Can?t Do What You Can?t Imagine, Finnish-Norwegian Culture Institute, Oslo, Noruega (2010); Real Snow White, Galerie Diana Stigter, Amsterdão, Holanda; The Trainee, Studio K, Kiasma Museum of Contemporary Art, Helsínquia, Finlândia (2009); Real Snow White, Masa-project, Istambul, Turquia (2009); The Angels, Turku Art Museum, Turku, Finlândia (2008); Between Sharing and Caring, Frac des Pays de La Loire, Nantes, França (2007). O seu trabalho foi incluído em inúmeras exposições colectivas, donde se destacam How to work, Kunsthalle Basel, Suíça (2011); The other tradition, Wiels, Bruxelas, Bélgica (2011); 4ª Bienal de Bucareste, Roménia (2010); And the moral of the story is... Morality Act III, Witte de With, Roterdão, Holanda (2010); Export-Import, Kunsthalle Helsinki, Finlândia (2010); Nordic Art Triennial, Eskilstuna Art Museum, Suécia (2010); 5ª Bienal de Berlim, Alemanha (2008); 9ª Bienal de Istambul, Turquia (2005), entre outras.