Wilfredo Prieto

Paisagem com a queda de Ícaro

10.02.2011–19.03.2011

A Kunsthalle Lissabon apresenta, pela primeira vez em Portugal, o trabalho do artista cubano Wilfredo Prieto. O trabalho de Prieto revela uma posição crítica que resulta da modificação subtil de objectos quotidianos. Estas intervenções discretas, que recorrem na sua maioria a objectos do quotidiano, e desprovidos de qualquer aura, dão origem a imagens nas quais o gesto artístico é praticamente invisível e onde questões políticas tendem a ser abordadas. Ainda que Prieto não pretenda divertir o espectador, o humor constitui-se como um elemento importante, não tanto como objectivo principal do seu trabalho, mas antes como o resultado da distância crítica do artista ou da relação pouco convencional que estabelece com os temas e media a que recorre.

Em Paisagem com a queda de Ícaro, o projecto desenvolvido especificamente para a Kunsthalle Lissabon, Prieto reinterpreta de uma forma irónica e divertida, como é característico no seu trabalho, a pintura homónima atribuída, até recentemente, ao pintor renascentista flamengo Pieter Bruegel. Nela, Bruegel retrata a queda de Ícaro, apenas visível através das suas pernas que se debatem fora de água, à medida que este se afoga. Ícaro consegue voar recorrendo a asas fabricadas pelo seu pai, com penas de aves, cera e cordas. Aproximado-se demasiado do Sol, o calor derrete a cera que mantém as asas intactas e faz com que Ícaro se despenhe nas águas do mar. Wilfredo Prieto parte assim da pintura atribuída a Bruegel para explorar e reflectir sobre o género da paisagem, a sua relação com a realidade e o seu estatuto privilegiado enquanto disciplina clássica na História da Arte. Paisagem com a queda de Ícaro terá lugar fora do espaço físico da Kunsthalle Lissabon, na Praça da Alegria, em Lisboa.

 

Wilfredo Prieto nasceu em Sancti-Spíritus, Cuba, em 1978 e vive e trabalha em Havana, Cuba e Barcelona, Espanha. Prieto completou os seus estudos no Instituto Superior de Artes Visuais em Havana, Cuba. Uma selecção das suas exposições individuais inclui Atado a la pata de la mesa, Centro de Arte 2 de Mayo (CA2M), Madrid, Espanha (2011); Negro, Mate, Seco, NoguerasBlanchard, Barcelona, Espanha (2010); Mountain, SMAK, Ghent, Bélgica (2008); Dead angle (Lost Bills), Kadist Art Foundation, Paris, França (2006); Mute, McMaster Museum of Art, Hamilton, Canadá (2006); Mucho ruido y pocas nueces II (a lot of noise and a few nuts), MUSAC, Leon, Espanha. O seu trabalho tem sido apresentado em várias exposições colectivas, das quais se destacam Lisson presents 4, Lisson Gallery, Londres, Reino Unido (2009); Stowaways, CCA Wattis Institute for Contemporary Arts, São Francisco, EUA (2009); That Was Then... This Is Now, PS1 MOMA, Nova Iorque, EUA (2008); Environment: Perils, Promises and Perplexities, Fondazione Sandretto Re Rebaudengo, Turim, Itália (2008). Participou também em diversas bienais, nomeadamente, 29ª Bienal de São Paulo (2010), the 52nd Venice Biennale (2007), Thesaloniki Biennial, I Singapore Biennial and the VIII, IX and X editions of the Havana Biennial and Biennale Cuvée, Linz (2009). Prieto foi o vencedor do The Cartier Foundation Award em 2008. Wilfredo Prieto é representado pela galeria Nogueras Blanchard.